Sobre o Grupo

Desde sua criação em 2005, OPOVOEMPÉ tem desenvolvido espetáculos e intervenções, cujo foco tem sido o ato teatral nas fronteiras entre a vida e a arte.

A partir das dinâmicas da cidade, o grupo desenvolveu estratégias de relação com o cidadão em situações cotidianas. Visamos, sobretudo, propiciar relações mais vivas entre as pessoas e a apropriação do espaço da cidade, por quem vive, transita e trabalha nela.

 

>> OPOVOEMPÉ é

 

 

 


OPOVOEMPÉ é

Direção e Dramaturgia

Cristiane Zuan Esteves

Atrizes Criadoras

Ana Luiza Leão

Manuela Afonso

Paula Possani

Direção de Produção

Henrique Mariano

Produção Executiva

Anayan Moretto

topo


Cristiane Zuan Esteves

Atriz, diretora e dramaturga dedica-se à área de teatro e movimento e às áreas fronteiriças do teatro, dança e artes plásticas há 18 anos. Formada pela École Jacques Lecoq de Paris (2002) e em Jornalismo pela ECA-USP. Em 2004, criou OPOVOEMPÉ com o objetivo de realizar o projeto de intervenções urbanas Guerrilha Magnética. Com OPOVOEMPÉ, concebeu, dirigiu e fez dramaturgia de 9:50 Qualquer Sofá e do Projeto Aqui Dentro Aqui Fora, indicado entre os destaques da década pela Revista Cult. Concebeu e dirigiu as intervenções Pausa para Respirar e Out of Key(s) (projeto concebido especialmente para o Urban Festival em Zagreb, Croácia e recriado para a Mostra SESC de Artes em São Paulo e  para o Festival Plus Brasil em Munique, Alemanha). Atualmente prepara os experimentos cênicos do Projeto A Máquina do Tempo (ou Longo Agora), contemplado pela Lei de Fomento o Teatro da Cidade de São Paulo.

NO BRASIL – Trabalhou como atriz com os diretores Paulo de Moraes (Armazém), Zé Celso, Renato Borghi, entre outros. Entre seus trabalhos de direção e dramaturgia estão os espetáculos Sete Palmos com Eduardo Estrela, O Círculo de Salomão com o Grupo Lampejo, ganhador do Prêmio Miriam Muniz da Funarte. Foi atriz de vários curtas-metragens, entre eles Felicidade, premiado em festivais no Brasil e no exterior. Foi apresentadora do curso de História Geral do Telecurso 2000 e trabalhou em televisão ao lado de Marília Pera, sob direção de Walter Avancini.

NO EXTERIOR – De 98 a 2003, viveu e trabalhou na Europa, México e Nova Iorque. Criou e dirigiu Mon Grand-Père Avait Un Telescópe. Estudou com Yves Lebreton, Yoshi Oida, Ariane Mnouchkine, Nancy Topf e a SITI Company. Foi residente do La MaMa ETC em Nova Iorque e colaborou com o diretor italiano Andrea Paciotto nas diferentes versões do espetáculo Spring Awakening (México e EUA). Foi atriz de espetáculos das coreógrafas Clarinda MacLow, Christine Sang e do diretor Eric Wallach. Foi atriz convidada de Quijotes, parte da programação especial do Festival Cervantino, sob direção do mexicano Alvaro Hegewisch. Realizou turnê pelos EUA e Canadá com o espetáculo Saltwater da International Theatre Collective (2005). Foi bolsista da Mobile Academy em Varsóvia, Polônia (2006) no Curso "City as Stage", ministrado por Stefan Kaegi, um dos diretores do Rimini Protokoll. Foi colaboradora artística e assistente de direção em Chácara Paraíso, projeto realizado pelos diretores Stefan Kaegi (Alemanha) e Lola Arias (Argentina), apresentado no HAU em Berlin, no Alkantara Festival em Lisboa (2007-08) e na Copa De Cultura no Brasil. Foi assistente de direção de SOKO São Paulo no Festival Spielart, Munique, Alemanha, também dirigido por Kaegi e Arias (2008).

PEDAGOGIA- Entre suas atividades pedagógicas ministrou oficinas de Intervenção Urbana em São Paulo e em Munique (Alemanha) e cursos de Viewpoints em várias cidades do Brasil.  Ministrou oficina de Construção de Personagem em Dylon, EUA, em colaboração com a Universidade de Montana Western. Foi selecionada em concurso público como Artista Formadora da SP Escola de Teatro, onde durante um ano e meio trabalhou na implementação do curso de Atuação.

topo

 

 


Ana Luiza Leão

Integra desde  sua origem 2005  grupo OPOVOEMPÉ .

Participou de Oficina com ARIANE MNOUCHKINE diretora do Théâtre Du Soleil.

CORALIDADES – com Jeremy James ex integrante do Theatre Du Soleil ; SUZUKI – VIEWPOINTS com Donnie Mather ( SITI Company) FLP e SP. Dramaturgia com José Sanchis Sinisterra. Do Nô ao Butoh com Angela Nagai; workshop com Jean Jaques Lemétre, músico do Theatre du Soleil.  Integrou de 97 à 2001 Nau de Ícaros. Formação Acadêmica em Artes Cênicas pelo Teatro escola Célia Helena de 1991 a 1993 e  Psicóloga pela  Universidade São Marcos 1999. Com OPOVOEMPÉ participou de 2 festivais internacionais:  Urban Festival em Zagreb (08)- Croácia e  Preview PLUS Brasil em Munich – Alemanha (09).

Contemplado pela Lei do  FOMENTO AO Teatro da Cidade de SÃO PAULO – PROJETO AQUIDENTRO AQUIFORA. Atualmente Contemplado pelo FOMENTO ao Teatro – ‘A MÁQUINA DO TEMPO’ (ou longo agora). No primeiro semestre de 2010 participou da Viagem Teatral SESI com o 9:50 QUALQUER SOFÁ. Agora participa do Circuito SESC de ARTES com Intervenção ‘ Pausa para Respirar’ .

Alguns trabalhos na área:

AQUIDENTROAQUIFORA  com OPOVOEMPÉ ( projeto contemplado pela Lei do Fomento ao Teatro) temporada em São Paulo e FIT – Festival Internacional São José do Rio Preto.

9:50 QUALQUER SOFÁ  (OPOVOEMPÉ) – grupo que integra desde sua origem;

MIRANDA E A CIDADE, com Circo Mínimo direção Rodrigo Matheus, texto Aimar Labaki  em cartaz no SESI e abertura do Festival de Teatro de Recife.

ButãO- solo de própria concepção, direção e interpretação contemplada com o prêmio Concurso Novos Novíssimos Coreógrafos Interpretes promovido pelo CCSP. Apresentou na Virada Cultural; Galeria Olido; SESC Pinheiros, Itaquera e São José dos Campos e Santos; CPFL Campinas.

VÍDEO CLIP BLUES – direção e autoria Leo Lama;

O PORTINARI – Pocket Ópera Sesc Ipiranga – direção Luis Carlos Vasconcelos;

BABEL direção Rodrigo Matheus( Circo Mínimo);

ANIMAAÇÃO – direção de Marco Vettore ( Nau de Ícaros);

O HERÓI DEVOLVIDO  de Marcelo Mirisola Dir. Mario Bortolotto

TRÂNSITO POR DORA  CurtaMetragem, em 16mm com direção de Paula Faro.


 

 

topo

 

 


Graziela Mantoanelli

Atriz e bailarina, profissionalizada pela escola Indac de teatro, mestre pela USP, integrante do grupo teatral OPOVOEMPÉ desde 2005. Coordenou o projeto cultural Acervo Mariposa (Vídeoteca especializada em dança) em sua implementação, priorizando a difusão e circulação dos trabalhos e participando de festivais em todo o Brasil e eventos educativos em São Paulo.

No Japão em 2011 realizou treinamento intensivo em Suzuki trainning para atores de diversos países ministrado por membros da  Suzuki Company of Toga (SCOT). Em 2012 foi convidada para uma trabalhar como atriz em produção da SCOT, TURANDOT, dirigida por Mattia Sebastiano, em uma companhia internacinal. Treinou diretamente com a SCOT.

Nos EUA participou em 2006 do SITI Company Summer training in Skidmore College e em 2005 do SITI Company in LA Summer Intensive, ambos com treinamento em Suzuki Method of actor training, Viewpoints e Composition class. Em 2010 treinou Suzuki e Viewpoints com Donnie Matter e em 2011 produziu e treinou em sua oficina em São Paulo.

Com o grupo OPOVOEMPÉ participou do Festival Plus Brasil na Alemanha (2009) com o processo de Aqui Dentro Aqui Fora e OUT OF KEY(S); no URBAN FESTIVAL na Croácia (2008) com OUT OF KEY(s)  e Mostra SESC de Artes 2008; Feverestival em Campinas (2008) e Fringe Curitiba(2008)  com 9:50 Qualquer Sofá.

Ainda com OPOVOEMPÉ NO SESC PINHEIROS, mostra de intervenções do grupo, ocupando os espaços do SESC e vídeo-instalação do material de “O Que Você Não Deixa Para Trás?” e O que se viu que você vê, intervenções urbanas, Evento Verbo, Galeria Vermelho. 9:50 QUALQUER SOFÁ, espetáculo ganhador do PAC da Secretaria de Estado da Cultura, temporada na Casa das Caldeiras São Paulo e na Estação da LUZ. Participou ainda do Bazar Utopias – espetáculo de dança com o solo Coluna do meio; Corpos Estranhos – Primavera dança, mostra de novos coreógrafos no Teatro Fábrica, com direção de Giovani Tozi; Xodó – criação coletiva apresentada na Califórnia, EUA.

topo

 

 


Manuela Afonso

Atriz graduada na Faculdade de Comunicação das Artes do Corpo na PUC-SP.

Há sete anos dedica-se à pesquisa de linguagem teatral e intervenções urbanas como integrante do grupo OPOVOEMPÉ, dirigido por Cristiane Zuan Esteves, sediado na cidade de São Paulo. Atua com seu grupo nos projetos “A Máquina do Tempo (ou Longo Agora)” – 2011 e "AQUI DENTRO AQUI FORA" – 2009, ambos projetos contemplados pelo Programa de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo, “9:50 Qualquer Sofá” – 2007, projeto contemplado pelo PAC da Secretaria Estadual de Cultura da Cidade de São Paulo e “Guerrilha Magnética” – 2005-09. Esteve no evento Preview + BR 2009 em Munique – Alemanha e no Urban Festival 2008 em Zagreb – Croácia onde junto com OPOVOEMPÉ desenvolveu o projeto Out of Key(s). Recentemente, OPOVOEMPÉ mergulhou numa pesquisa prática de trocas com o grupo LUME, financiada pelo Rumos Teatro 2011 do Itaú Cultural.

Em suas pesquisas individuais participou de encontros de teatro no Brasil, na Itália e na Polônia. Na Itália, participou do CENA 11 – Encontro Internacional Pedagógico de Teatro no Centro Di Produzione Teatrale Via Rosse com sede em Padova-IT, sob coordenação de Norberto Presta e Sabine Uitz. Para este encontro foi selecionada pelo MINC no Programa de Intercâmbio e Difusão Cultural.

Em 2010 foi atriz colaboradora do projeto germano-brasileiro do grupo alemão andcompany&co, atuando no espetáculo FatzerBraz apresentado em cidades do Brasil e da Alemanha.

Em 2008 concebeu seu primeiro espetáculo solo intitulado “Um Conto de Um Ponto de Tempo” sob coordenação do núcleo KeyZetta e Cia. Junto ao “Coletivo de Solos” foi a proponente de projeto contemplado com o PROAC da Secretaria Estadual de Cultura da Cidade de São Paulo em 2009 – Circulação de Espetáculos de Dança. Apresentou este solo também no Teatro Cacilda Becker RJ (dez/10), no SESC Pompéia (ago/09) e no festival D(r)amas da Meia Noite, edição 2008.

Foi assistente de produção de Paula Lopez na temporada Brasileira (SP e BSB) do espetáculo “The Overcoat”do grupo britânico GECKO no primeiro trimestre de 2010. Junto com Ana Luiza Leão foi responsável pela produção de seu grupo OPOVOEMPÉ na Mostra SESC de Artes de 2008.

Em 2007 foi a segunda assistente de direção do espetáculo “Chácara Paraíso – Mostra de Arte Polícia” de Stefan Kaegi (Suíça) e Lola Arias (Argentina) apresentado em São Paulo em 2007 e em Lisboa, Portugal e Berlim, Alemanha em 2008.

Durante dois anos pesquisou a linguagem do palhaço / clown. Foi aluna de Márcio Ballas, Sílvia Leblon, Alberto Gaus, Ézio Magalhães e Léo Bassi. Fez parte do projeto “Sarau do Charles – Um espaço para experimentação”, realizado pelo Galpão Raso da Catarina.

Em vídeo tem breve experiência em publicidade e curta-metragem ("Tronco”, de Bruno Carmelo e “Meias”, de René Guerra).

topo

 

 


Paula Lopez

Graduou-se atriz pelo Indac; produtora pela FAAP (Comunicação Social – RTV) e pós-graduou-se em língua inglesa pela Unibero. Complementou seus estudos com Luis Melo em São Paulo e com Lorna Marshall (Teatro Físico) e Anzu Furukawa (Butoh) em Londres, onde viveu por 18 meses, iniciando sua pesquisa em dramaturgia contemporânea britânica. Como atriz-criadora, integra o núcleo OPOVOEMPÉ desde 2008, junto com o qual, treinou Suzuki e Viewpoints com orientação de Donnie Mather em duas oficinas intensivas, em maio de 2010 e janeiro de 2011. Seus trabalhos mais recentes: em 2010, a intervenção Pausa Para Respirar, o espetáculo 9:50 Qualquer Sofá, na Viagem Teatral do SESI ambos com OPOVOEMPÉ. Em 2009, AquiDentro AquiFora. Em 2008 atuou junto com o Arte Ciência no Palco (ACP) – São Paulo no projeto “A Culpa é da Ciência?” financiado pelo Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo, criação coletiva com direção de Rachel Araújo; entre 2005 e 2007 foi atriz, idealizadora e diretora de produção na peça “Anna Weiss” de Mike Cullen com patrocínio e co-produção do SESI, projeto posteriormente premiado pelo Instituto Capobianco, ao lado de Denise Weinberg e Cacá Amaral, sob direção de Alexandre Tenório; e entre 2006 e 2007 atuou em “Lisístrata: Sexo, Drogas e Greve”, de Ferréz com direção de Débora Dubois. Com a 3 de Sangue Cia de Teatro, atuou e produziu a peça “Traição” de Harold Pinter e foi diretora assistente de Rubens Rusche e produtora em “Ânsia” de Sarah Kane, espetáculo indicado ao Prêmio Shell em três categorias, participando dos Festivais de Porto Alegre, Recife, e do Cultura Inglesa Festival 2003. Atuou também em “Ovelhas que voam se perdem no céu”, texto de Daniel Pellizzari adaptado e dirigido por Mário Bortolotto; no monólogo que se utiliza do teatro físico, escrito para a atriz “Millennium”, texto e direção de César Ribeiro; e em “As Três Irmãs” de Anton Tchecov. Sua primeira experiência profissional foi no espetáculo O Outro, adaptação de contos de Jorge Luis Borges, com direção de Maucir Campanholi. Foi assistente de direção em “Trilogia da Danação” de Francisco Nieva, direção de Marcos de Azevedo. Integrou o CTT (Cultura Teaching Theatre) da Cultura Inglesa com direção de Marco Antonio Pamio. Estudou cinema com ator e professor basco-espanhol Iñaki Aierra, realizando com ele o curta em vídeo “A Grande Árvore”. Atuou ainda no premiado curta metragem “Dois em Um” de Luis Carlos Soares, e participou do longa “Bodas de Papel” de André Sturm. Em TV participou do programa “Copas de Mel” da Rede Globo, com Denise Fraga, e direção de Luis Villaça; e rodou filmes publicitários. Tem participado de oficinas como tradutora, atriz ou diretora com artistas como o diretor Declan Donellan, a dramaturga Liz Lochhead, o ator e diretor Iñaki Aierra, Marco Ricca, Julie Ellen, Noel Grieg, grupo Improbable, David Jubb, dentre outros. Foi coordenadora de produção dos espetáculos britânicos: “O Capote” do grupo Gecko, e “Cymbeline” da Kneehigh Theatre. Foi diretora de produção do Circo Mínimo em “Miranda e Cidade” e no projeto Circo Mínimo 20 Anos: As Narrativas de Imagens.

topo

 

 


Paula Possani

Atriz profissional formada pela Escola Recriarte – São Paulo e bacharel em Comunicação das Artes do Corpo pela PUC-SP com especialização em teatro. Aprofundou seu trabalho de atriz com os seguintes mestres: LUME – Unicamp, Luis Louis, Francisco Medeiros, Rodrigo Matheus, Rosana Selligman, Cristiane Zuan Esteves, Teatro da Vertigem, Emílio de Mello, Norberto Presta e Donnie Mather. Pesquisa a linguagem do palhaço desde 2000 tendo entre seus principais mestres: Cristiane Paoli Quito, Sílvia Leblon, Márcio Ballas, Sue Morrison, Léo Bassi, Léris Colombaioni, Ésio Magalhães, Alberto Gaus, Daniela Carmona e Ricardo Pucceti. Na área de dança praticou Contato Improvisação, Danças Brasileiras e Dança Contemporânea tendo trabalhado com Lara Pinheiro e Célia Gouvea. Entre os principais trabalhos profissionais estão: “Dos Filhos deste Solo”, “Joana, o mito”, “Os Cegos, um ato baseado em Brueguel”, “O Despertar da Primavera”, “Sarau do Charles, um espaço para experimentação”, “Nós, os outros”, “Corpo Incrustado”, “A garota número um”, “9:50 Qualquer sofá” e “Decameron”. Integra desde 2005 o Grupo Teatral Opovoempé que realiza pesquisa de linguagem teatral e intervenções urbanas tendo participado em 2008 do Feverestival (Campinas), FRINGE (Curitiba) e Urban Festival (Zagreb – Croácia). Na TV Globo cursou a “Oficina de Atores”, atuou na novela “Tempos Modernos” e realizou participações em "Malhação" e "Força Tarefa".

topo